Nova The Walking Dead avança em plano da cura zumbi; saiba como

Na segunda temporada, a série World Beyond apresenta um projeto inédito para acabar com o surto

Publicado em 14/10/2021 08:00
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Pela primeira vez, a franquia The Walking Dead apresentou um plano detalhado para a cura zumbi. Exibido no Brasil na última segunda-feira (11) no canal AMC, o segundo episódio da segunda temporada de World Beyond mostrou como estão as pesquisas científicas voltadas para acabar de vez com a ameaça que são os mortos-vivos.

World Beyond, série caçula de The Walking Dead, assumiu a responsabilidade dessa missão desde o nascimento, em duas frentes. Uma com Leopold Bennett (Joe Holt), doutor em bioquímica e genética. E outra com a Civic Republic, que contratou “o homem mais inteligente do mundo“, como Leo é tratado, para colocar os estudos de laboratório em prática.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Década perdida

Antes de tudo, é importante situar em qual linha do tempo World Beyond está dentro do universo The Walking Dead. A trama da atração começa em 2020, dez anos após o dia zero (primeira manifestação do vírus, início da TWD original). Atualmente, a série mãe se passa em 2022, à frente de World Beyond.

Se deu aí uma década perdida, sem nenhuma solução contra o vírus. Como visto em The Walking Dead, a preocupação maior ali é sobreviver. Devido aos recursos das principais comunidades de World Beyond, a história na narrativa novata é outra.

A Civic Republic é bem avançada, organizada, mas autoritária. Ela é formada por três regiões/cidades, agrupado com o nome nada criativo de Aliança de Três.

Esse trio é poderoso e se escora em uma força militar pesada, a CRM. O xerife Rick Grimes (Andrew Lincoln) foi capturado por um helicóptero da Civic Republic, na nona temporada de The Walking Dead.

Como a Civic Republic é para lá de suspeita, a busca pela cura zumbi pode ter interesses escusos por trás. Mas vale entender o plano relevando esse fator, o encarando de um ponto de vista puro.

Joe Holt interpreta o doutor Leo em The Walking Dead: World Beyond (Reprodução/AMC)

A provável cura

Provando ser “o homem mais inteligente do mundo“, Leo resolveu em dois meses uma tarefa que os demais pesquisadores da Civic Republic passaram dez anos sem conseguir chegar a um resultado satisfatório.

Trabalhando em um centro de pesquisa localizado no Estado de Nova York, Leo chegou à conclusão de que é possível descobrir o que faz os mortos reviverem em forma de zumbi, achar dentro deles o que retarda a decomposição e atiça o apetite.

A investida é nisso, determinar os genes de um zumbi e buscar uma solução para impedir que eles sejam uma ameaça no presente. E, quem sabe, eliminá-los por completo da face da Terra.

Em um vídeo de apresentação sobre o andamento da pesquisa, Leo explicou o seguinte: “É completamente possível fazer uma modificação em um fungo existente [e injetá-lo em uma pessoa]. Assim, poderemos um dia acelerar a taxa de decomposição dos mortos e neutralizá-los como uma ameaça aos vivos.

Vai dar certo?

Esta é a pergunta máxima do Show do Milhão: vai dar certo? Uma vacina com o tal fungo teria de ser aplicada nas pessoas mortas? Ou seria nos vivos?

Fato é que esse é um projeto a longo prazo. O foco em World Beyond são os adolescentes criados no meio do apocalipse justamente porque serão eles os encarregados de continuar o trabalho dos pesquisadores para erradicar de vez os zumbis.

Como World Beyond vai terminar nesta segunda temporada, provavelmente ela não será o palco da cura, colocada em prática para valer fora dos laboratórios. Tudo aponta para isso ser desvendado na trilogia de filmes protagonizada por Rick Grimes.


Siga o Observatório de Séries nas redes sociais:

Facebook: ObservatorioSeries

Twitter: @obsdeseries

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio