Steve Carell como Michael Scott em The Office (Fonte: Reprodução)
Steve Carell como Michael Scott em The Office (Fonte: Reprodução)

Ricky Gervais construiu uma carreira cômica invejável, com seu mais recente projeto, After Life: Vocês Vão Ter de Me Engolir, sendo criticamente aclamado na Netflix. Seja como a mente por trás de uma série ou como o apresentador de uma premiação, é quase sempre garantido que a sagacidade de Gervais agitará as coisas. Ele definitivamente teve uma carreira excepcional cheia de marcos, mas sua conquista mais conhecida é, talvez, ser o criador da The Office.

O programa começou como uma comédia na BBC, no Reino Unido, que durou duas temporadas (e um especial) e contou com Gervais no papel principal como David Brent. A popularidade dessa série levou a NBC e Greg Daniels a refazer a produção para o público estadunidense. Gervais dessa vez ficou somente atrás das câmeras, dando a liderança da série para Steve Carrell criar o icônico Michael Scott.

Com 9 temporadas de duração, The Office continua sendo amada até hoje, ocupando a posição de série mais assistida do catálogo da Netflix. Recentemente, houve muita especulação sobre se o mockumentary poderia ser feito no mundo de hoje. Gervais, por exemplo, revelou pensar que não, apontando para a atual tendência da “cultura do cancelamento”, que leva à indignação do público quando tópicos sensíveis são abordados.

The Office não funcionaria em 2020?

Durante uma recente entrevista ao Times of London Radio, Gervais abordou a questão, comentando que:

“Eu acho que agora a série sofreria porque as pessoas entendem as coisas literalmente. Há essas multidões ultrajantes que tiram as coisas do contexto. Este foi um show sobre tudo. Era sobre diferença, era sobre sexo, raça, todas as coisas que as pessoas temem ser discutidas ou comentadas agora, no caso de dizerem a coisa errada e serem ‘canceladas'”.

“E a BBC tem se tornado cada vez mais cuidadosa e as pessoas só querem manter seus empregos. Então, as pessoas se preocupavam com alguns dos assuntos e algumas das piadas, mesmo que fossem claramente irônicas, e estávamos rindo desse bufão desconfortável com a diferença”.

O comediante continua sugerindo que The Office não seria tão eficaz porque perderia parte do contexto que fazia as piadas funcionarem. Mais uma vez, ele acredita que é a cultura de “cancelar” que impediria que o programa acontecesse. Segundo ele, as pessoas estão “assustadas” com esse tipo de humor:

“Eles estão ainda mais assustados porque as pessoas não aceitam uma explicação para responder, apenas dizem: ‘Bem, eu não quero ver, então vamos proibir'”.