Psicóloga explica a atitude de Daenerys em Game of Thrones

Publicado em 16/05/2019 17:24
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Parte dos fãs de Game of Thrones ficaram indignados com o andar do penúltimo episódio. Daenerys Targaryen (Emilia Clarke) incendiou Porto Real depois que Cersei e capital se renderam. Dessa forma, matou homens, mulheres e crianças inocentes ao longo do caminho.

Mas Janina Scarlet, uma psicóloga clínica, autora e grande fã do gênero fantasia, tentou explicar o ocorrido. Scarlet diz se divertir com os que se sentem decepcionados com a série.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

“Relacionamentos parassociais podem ajudar os fãs a se sentirem menos sozinhos em suas lutas de saúde mental. Podem inspirar esperança e criar um diálogo sobre trauma e recuperação”, disse Scarlet à CNET. “Ver uma pessoa que veio de uma infância abusiva, experimentou violência, agressão e tragédia pode inspirar muitos outros sobreviventes de trauma. Especialmente mulheres, para melhor compreender e processar suas experiências traumáticas também”.

Como sabemos, as fãs do sexo feminino não costumam ter a chance de se identificar com heróis fortes e independentes em sua própria jornada na tela. No caso de Game of Thrones, parecia que as mulheres poderiam realmente ter uma vitória em suas mãos com a Khaleesi. Apesar de suas alegações de um esforço para tomar o que era dela por “sangue” e “fogo” ao longo do caminho. Mas a reviravolta do último domingo (12) chocou aqueles que pensaram que se identificaram com a personagem.

“Para muitos fãs, especialmente mulheres, que podem se identificar com Daenerys em termos de sobrevivência, essa mudança repentina pode ser confusa e emocionalmente angustiante”, disse Scarlet. “Esse arco de histórias pode parecer levar longe do arbítrio que muitos sobreviventes de traumas podem desenvolver através de relacionamentos parassociais”.

Há uma solução?

“É minha esperança que, no futuro, escritores de televisão e filmes considerem ter consultores de saúde culturais e/ou mentais na equipe. Especialmente ao escrever histórias que lidam com trauma, choque e horror. A fim de serem conscientes sobre os possíveis efeitos determinado episódio ou cena pode ter sobre os espectadores”, concluiu Scarlet.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio