Harry Lloyd revela como é interpretar Chalers Xavier, o Professor X, em Legion

Publicado em 12/07/2019 17:35
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Certamente, o ator Harry Lloyd é mais conhecido por interpretar Viserys Targaryen em Game of Thrones. Mas agora, o ator irá para viver uma personagem icônica das HQs. Em Legion, Lloyd viverá ninguém menos que Charles Xavier, o Professor X dos X-Men.

Decerto, o líder dos mutantes da Marvel já teve belas interpretações em live action por Patrick Stewart (que está voltando para a franquia Star Trek) e James McAvoy. Por isso, a Collider foi conversar com Lloyd para saber como ele lidará com tamanha responsabilidade.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Como você se sente interpretando o Professor X?

“É ótimo. Então, recebi este telefonema em dezembro dizendo: ‘Você recebeu uma oferta para Legion’, E eu pensei ‘Incrível!’ E o problema foi… ‘O nome dele é Charles. Ele é um veterano de guerra. Mas acredita no bem da humanidade’. E eu fiquei tipo: ‘Parece interessante’. Eu não percebi. Então, eles disseram, ‘Você tem (uma videoconferência por) Skype com Noah (Hawley) na segunda-feira’”.

“Então eu passei o fim de semana assistindo a primeira temporada de Legion, e percebi, o que eu não tinha feito antes porque eu não tinha visto, que o X no título foi o grande elo de volta ao Universo Marvel. Então, eu estava falando com Noah naquela segunda-feira e fazendo perguntas, e ele me contou sobre o Episódio 3 e depois sobre os Episódios 7 e 8. Ele estava conversando e dizendo: ‘Claro, Charles faz isso. Charles Xavier. . . ‘ E eu fiquei tipo ‘Espere, o que ?! Oh!’ Eu fingi que sabia. Mas eu não tinha juntado tudo”.

“Mas então, obviamente, isso tornou ainda mais emocionante. Eu não estou realmente no momento onde me oferecem papéis do nada. Então tem sido uma aventura maravilhosa. Então, eu tive que resolver me mudar para LA por três meses. Felizmente, minha esposa, meu cachorro e meu bebê, todos me seguiram e tem sido ótimo. É um show tão divertido de se trabalhar. Mesmo fazendo apenas alguns episódios, há uma equipe de criação louca que está sempre fazendo coisas realmente interessantes na câmera”.

Você assistiu à performances anteriores?

“Eu fiz o meu dever de casa. Eu assisti tudo de Legion, assisti a todos os filmes de X-Men, e eu vi alguns deles, no passado, e eu fui a essa grande loja de quadrinhos, chamada Mega City Comics em Camden, em Londres, e eu encontrei um geek muito bom lá, que me apresentou um monte de material fonte diferente. Uma das minhas coisas favoritas sobre Legion é isso, você tem os filmes dos X-Men, com McAvoy e Stewart nessas cenas live action dele, e os quadrinhos, e as diferentes coisas que eles tinham em comum”.

“Mas então você olha para Legion e lhe dá permissão para jogar tudo isso fora, até certo ponto. Eu estou feliz de ter visto, para saber no que eu estava me metendo. É um show tão irreverente, ridículo e surreal, que eu não senti que tinha que fazer o cara que conhecemos. A história que estamos contando não permite que ele esteja sempre no controle”.

“Ele é um homem jovem e foi jogado em sua própria história antes de estar pronto, por causa do que está acontecendo no futuro com David. Ele está realmente perdido na maior parte. Então, interpretar alguém que normalmente é bastante fundamentado, ponderado e deliberado em suas ações, e vê-lo antes que ele chegue lá, como um jovem confuso, duvidoso e explorando seus próprios poderes, foi muito divertido”.

Como sua versão da personagem é diferente das anteriores?

“Nós começamos fazendo o episódio 3, que é inteiramente em flashback, e essa é a história de como Charles saiu da guerra e acaba neste sanatório, ou instituição mental, e se apaixona por Gabrielle. A maneira como ele usa seus poderes, nesse ponto, é entrar na cabeça dos homens com TEPT (estresse pós-traumático) e ajudá-los. Mas ele realmente não os desencadeou ou pensou neles, em termos de fazer um bem maior. Ele ainda mantém uma tampa e mantém tudo muito secreto e privado, e vive se escondendo”.

“Então, ele vai e se muda para o subúrbio e tem essa criança, e ele tem essa nova vida com essa mulher. Ele faz este protótipo de uma engenhoca cerebral. É quando ele vê Farouk pela primeira vez em seu porão. É esse homem no Marrocos, que tem o mesmo poder que ele e, então, essa grande mudança acontece. Quando ele percebe que não está sozinho, ele se torna muito sério e bastante tenso, e na verdade abandona sua esposa e filho”.

“Ele está bastante perturbado com isso. Mas ele também não pode evitá-lo. Eu senti que ele percebeu que ele esteve em negação, por um longo tempo, sobre o que ele tinha, e ele tem que explorar isso. Charles, de repente, está agora no reino de outra pessoa com poderes aparentemente ainda maiores do que ele. Ele está constantemente acordando em um lugar diferente e sente que está em um sonho”.

“Você percebe, assistindo a performance de Dan Stevens, das duas primeiras temporadas, há muitas vezes quando ele parece estar reagindo a algo que não está lá, e é muito confuso, e é quase como se ele estivesse em um sonho. Eu encontrei este Charles, que foi bastante composto no episódio 3, de repente se tornando mais parecido com seu filho, em termos de como ele está reagindo a situações desconcertantes”.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio