Como uma produtora de cinema pode mudar a televisão espanhola com a série The P.A.

Publicado em 24/12/2018 17:23
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Está ocorrendo uma jogada emblemática para a indústria cinematográfica espanhola. A Pecado Films, de José Alba, está entrando na produção televisiva. O produtor é conhecido por filmes como O Massacre em Guernica e Viaje al Cuarto de una Madre. Dessa forma, sua atuação no mercado virá com uma série de demandas cada vez maiores na Espanha: comédias de meia hora que exploram questões sociais.

Um exemplo é Arde Madri, uma comédia sobre a comitiva doméstica de Ava Gardner durante sua temporada como atriz em Madri. Depois de seu grande sucesso, as plataformas OTT da Espanha estão na busca por esse tipo de conteúdo. Dessa forma, as televisões tradicionais espanholas começam a fazer a mesma procura. Todos patrecem querer sua fatia ao entrar na competição.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Dessa maneira, chega ao mercado The P.A. Criada por Rubén Ávila, David Rodríguez Losada e Alba, foi revelada na semana passada. Isso aconteceu na TV Pitchbox do FilmMarket Hub, em Madrid. Fundada em 2008, a Pecado Films surgiu como uma plataforma de jovens talentos. Com The PA, a produtora pretende continuar nesse ramo, tendo como alvo uma demografia de público relativamente nova para a Espanha. Trata-se da Geração Z, pós-millenial, composta de telespectadores nascidos de meados da década de 1990 até o início da década de 2000.

Como a Disney+ mudará o mercado dos serviços de streaming?

Assim, isso será feito com o que Alba denomina “sátira de choque geracional”. Marta, uma jovem feminista sincera, forçada a aconselhar uma consultoria de política internacional, será o ponto de vista. Para ela, em termos sociais, a empresa é demasiadamente atrasada. Seus métodos de comunicação, até mesmo as relações sociais, estão obsoletos. Ao estilo “peixe fora d’água”, The P.A. satiriza o mundo corporativo tradicional. Ao mesmo tempo, explora uma nova geração e as contradições da protagonista enquanto explora sua sexualidade, um mundo adulto, e o da política, “onde as pessoas fazem uma coisa e pensam o contrário”, segundo Alba.

Os produtores ainda estão em conversa com Eva Soriano para interpretar Marta. Soriano é uma jovem comediante conhecida na Espanha por ser aberta em relação às suas convicções feministas e sexualidade. Mas a atriz aparece no vídeo promocional da série, dizendo que já está a bordo. Soriano também pode estar envolvida na roteirização.

A produtora Odile Antonio ressaltou que agora existem algumas séries feministas na Espanha, mas não foram tantas no passado. La Otra Mirada, transmitida pela emissora pública TVE, Las Chicas del Cabo, a primeira série da Netflix na Espanha e Vis a Vis, da Fox, são “alguns exemplos de grandes séries feministas no ar. Até mesmo La Casa de Papel tem um caráter feminista muito forte”, segundo Antonio. “Nós consideramos que elas visam um público mais velho. Não há nenhuma série na Espanha que retrate os problemas de meninas adolescentes ou universitárias de uma perspectiva feminista e atual, como Girls, Broad City ou Two Broke Girls. The P.A. visa preencher essa lacuna”.

L.A.’s Finest | “Dez anos atrás, eles não estavam fazendo esse show com mulheres”, diz Jessica Alba

Escrito por Ávila e dirigido por Rodríguez Losada, os episódios têm pouco mais de 20 minutos de duração. Dessa forma, os seis episódios de The P.A. também entram na lógica de maratona empregada com frequência pelos serviços de streaming. “Queríamos nos adaptar aos padrões de consumo de novos públicos, para que o The P.A. fosse curto, intenso, contemporâneo e altamente dinâmico em seu formato”, disse Alba. O estilo visual usará cores primárias chamativas. Uma das tantas influências da Geração Z que poderão ser vistas na tela.

A maioria das personagens será da Geração Z. A série será gravada inteiramente via mídia social usada diariamente pelos espectadores, como YouTube, Skype e Whatsapp. “Mas a chave para a série será que vamos filmar em um ritmo frenético, pulando de uma tela para outra, apropriando-se da linguagem da Internet: fotos, vídeos, gifs”, disse Rodríguez Losada. “Acima de tudo, faremos isso no ritmo diabólico em que o público jovem consome informações hoje em dia”.

Com sede em Madri e Málaga, a Pecado Films está financiando o desenvolvimento de um piloto de série. Mas parece querer uma plataforma parceira a bordo, seja OTT ou tradicional, antes de fazer uma primeira temporada.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio