Fuga de Carlos Ghosn inspira série Billions na despedida de Axe

Escape do personagem de Damian Lewis faz referência ao plano de cinema orquestrado pelo empresário brasileiro

Publicado em 09/10/2021 08:00
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

[Atenção: spoilers a seguir]
Troque os instrumentos musicais por itens hospitalares. A verdadeira fuga de cinema de Carlos Ghosn, ex-presidente da Nissan, inspirou o desfecho da história de Bobby “Axe” Axelrod (Damian Lewis) em Billions, na despedida do personagem da trama, que pode ser vista na Netflix a partir deste sábado (9).

O 12º e último episódio da quinta temporada marcou o fim da linha de Damian Lewis na série, presente desde o primeiro episódio. Embora Axe seja incomparavelmente mais rico do que o empresário brasileiro, Billions tomou emprestada uma tática do executivo do ramo automobilístico para armar a escapada do magnata da ficção.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Plano de fuga

Primeiramente, vale relembrar o escape cinematográfico de Carlos Ghosn. Preso em Tóquio (Japão), no aguardo de julgamento por sonegação e fraude fiscal, o ex-presidente da montadora fugiu do país asiático nos últimos dias de 2019. Foi uma manobra nada mais do que espetacular.

O plano consistiu em: uma pessoa dona de uma empresa de táxi aéreo, dois pilotos e US$ 10 milhões para Carlos Ghson ser transportado dentro de uma caixa de equipamento de som. Na época, ele estava em liberdade condicional, por isso conseguiu dar no pé.

Um avião particular o levou do Japão até Istambul (Turquia), depois o executivo foi para Beirute (Líbano). Todo trajeto aéreo ele, com 1,7m, fez encaixotado ao lado de instrumentos musicais. 

Axe (Damian Lewis) sorri de leve após concluir fuga – (Reprodução/Showtime)

Tirando onda

Em Billions, Axe ficou encurralado devido a uma jogada manipuladora dos inimigos Chuck Rhodes (Paul Giamatti), procurador-geral de Nova York, e o ricaço rival Mike Prince (Corey Stoll). O implacável bilionário ruivo sentiu como é ficar do lado perdedor após muito tempo só derrotando quem atravessasse o caminho dele. A prisão estava lhe esperando.

Tudo estava armado para o capitalista se entregar às autoridades e colaborar com investigações sobre como movimentou uma fortuna nos últimos anos, saída para passar menos tempo atrás das grades. Mas no final das contas, cadeia não era uma opção. Daí veio o plano de fuga.

Indiretamente, Billions faz uma piada com a tática de Carlos Ghosn. Limpador de barras de Axe, o fixer Hall (Terry Kinney) bolou a estratégia do escape. Mas o patrão logo avisou: “Sou um pouco alto para caber dentro de uma caixa de violoncelo [instrumento musical de corda]”. Registre-se: Damian Lewis mede 1,85m.

Hall tranquilizou o chefe. Um jato de US$ 60 milhões de Axe, que ele nunca usou e estava encostado, foi camuflado como uma aeronave de carga. Dentro dela, haviam vários contêineres com equipamentos hospitalares, sem espaço para passageiros.

Em um desses recipientes tinha uma cadeira para Axe. “Você ficará muito confortável, eu asseguro“, disse Hall enquanto explicava o plano para o patrão.

E assim Axe partiu para a Suíça, deixando os EUA para trás. Ele não ficou nada pobre, mas perdeu muito dinheiro porque vendeu empresas a preço de banana para Mike Prince, que o ajudou na fuga. O bilionário careca se tornou o mais novo inimigo número um de Chuck, pois o advogado se sentiu traído; essa será a dinâmica da próxima temporada.


Siga o Observatório de Séries nas redes sociais:

Facebook: ObservatorioSeries

Twitter: @obsdeseries

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio