Embora melhor, Seinfeld jamais será maior do que Friends

As duas séries venceram o Emmy, mas uma tem mais popularidade do que a outra (e não há nada de errado nisso)

Publicado em 20/10/2021 08:00
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Lançada há 20 dias na Netflix, Seinfeld (1989-1998) entrou na plataforma com a responsabilidade de ser a comédia âncora do catálogo, substituta de Friends (1994-2004; HBO Max). A novidade até animou os investidores e boa parte do público, mas ficou comprovado um fato: embora seja melhor, Seinfeld nunca será maior do que Friends.

As duas travam um duelo, sem querer querendo, em discussões sobre qual é a série humorística número um de todos os tempos; cada uma tem um Emmy de melhor comédia. No quesito qualidade, Seinfeld ganha de lavada. Mas quando o assunto é popularidade não tem para ninguém, é Friends na cabeça! E não há nada de errado nisso.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Impacto cultural

De todas as comédias com potencial de serem vistas em um eterno loop, como The Big Bang Theory (2007-2019) e The Office (2005-2013), Friends é que indiscutivelmente tem o impacto cultural mais significativo. Ao redor do planeta, como a reunião promovida pela HBO Max provou, a série dos seis amigos nova-iorquinos tem um poder de influência muito forte.

As histórias narradas em Friends ajudam nisso, com muito romance, lições sobre a amizade e amadurecimento. Não há ali uma preocupação primordial em discutir temas sociais delicados. O foco é entreter no sentido mais absoluto da palavra.

Seinfeld tem muita relevância nos Estados Unidos, com direito a expressões usadas na série que se tornaram populares, inseridas nos diálogos corriqueiros das pessoas (o “yada, yada, yada” é uma delas). Esse efeito não é visto na mesma proporção em outras partes do mundo.

Uma situação inusitada contribuiu (e contribui) para Friends ganhar um espaço no imaginário das pessoas: o fato de a série ser uma ferramenta de ensino da língua inglesa quase onipresente em cursinhos das mais diversas nações. A sitcom serve como um guia para pegar o jeito de como falar e compreender o idioma.

Jennifer Aniston com Courteney Cox em cena de Friends (Divulgação/NBC)

O dinheiro explica

O significado de uma coisa pode ser resumido em um valor. Na guerra dos streamings por conteúdo, Seinfeld (Sony Pictures) e Friends (Warner Bros.), as duas produzidas por estúdios independentes, estavam no centro da batalha, prontas para receber os milhões de dólares jogados na mesa.

Por muito tempo, a Netflix foi a casa de Friends. Assim que a Warner anunciou em 2018 que iria lançar um streaming próprio (HBO Max), logo surgiram especulações de que a comédia deixaria a rival.

Isso seria verdade, mas a plataforma do tudum ficou com Friends até o último segundo. Naquele ano, o contrato de licenciamento acabou, mas o serviço poderia ter a série por mais 12 meses, antes de a HBO Max nascer. 

A Netflix despejou a bagatela de US$ 100 milhões (R$ 559 milhões) por somente um ano de Friends, sem pensar duas vezes. É o mesmo valor que a HBO desembolsou para fazer uma temporada de Game of Thrones (2011-2019), por exemplo. 

Seinfeld corria mais na periferia do mercado. A disponibilidade mundial da atração nos streamings não era em uma única plataforma. Aqui no Brasil, a série pertencia ao Prime Video e o serviço da Amazon a tratava como mais um item no catálogo. Algumas vezes, Seinfeld ficava fora do ar e depois retornava sem os assinantes serem avisados disso.

O preço que a Netflix pagou por Seinfeld, US$ 500 milhões (R$ 2,7 bilhões) em um contrato de cinco anos, foi turbinado pela falta de opções. A HBO Max ficou com as comédias âncoras The Office e The Big Bang Theory (além de Friends). Não restava muita alternativa na praça. Era melhor gastar com Seinfeld do que vê-la aterrissando em uma rival. A curto prazo, dá para medir se o investimento valeu a pena ou não.


Siga o Observatório de Séries nas redes sociais:

Facebook: ObservatorioSeries

Twitter: @obsdeseries

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio