Os criadores de Avatar: A Lenda de Aang deixaram o projeto live-action da Netflix; é o fim da série? (Fonte: Reprodução)
Os criadores de Avatar: A Lenda de Aang deixaram o projeto live-action da Netflix; é o fim da série? (Fonte: Reprodução)

Se você está animado para a próxima adaptação live-action de Avatar: A Lenda de Aang, esta quarta-feira (12) está trazendo notícias que podem te colocar alguma preocupação. A futura série da Netflix acaba de sofrer uma mudança que significar muita coisa; tanto em termos de produção quanto de expectativa dos fãs.

Os criadores da animação original da Nickelodeon, Michael Dante DiMartino e Bryan Konietzko, estiverem firmemente a bordo da série… Até agora. Ambos deixaram o projeto não estarão mais envolvidos com o novo programa. Isso pode ser um grande choque para os fãs, já que tê-los por perto era uma espécie de garantia que a propriedade seria tratada com respeito.

Avatar: A Lenda de Aang

Avatar: A Lenda de Aang (Fonte: Reprodução)
Avatar: A Lenda de Aang (Fonte: Reprodução)

Avatar: A Lenda de Aang reuniu uma enorme base de fãs em sua estreia em meados dos anos 2000. Com a facilidade de se assistir séries pela internet, com a animação disponível na Netflix brasileira, por exemplo, essa base de fãs só cresceu ainda mais. E depois de ter sido recentemente adicionada ao catálogo da Netflix estadunidense, a série vive um novo auge.

Em seu próprio site oficial, DiMartino escreveu o que chamou de “Carta Aberta para os Fãs de Avatar: A Lenda de Aang”, anunciando sua saída junto com Konietzko.

O que diz a carta:

“Olha, coisas acontecem. As produções são desafiadoras. Surgem eventos imprevistos. Os planos precisam mudar. E quando essas coisas aconteceram em outros momentos da minha carreira, tento ser como um Nômade do Ar e me adaptar. Eu faço o meu melhor para seguir o fluxo, não importa que obstáculo seja colocado no meu caminho. Mas mesmo um Nômade do Ar sabe quando é hora de seguir em frente”.

“Comecei a reavaliar o que é realmente importante na minha vida e o que eu queria fazer com o que sobrou dela. Segui alguns conselhos do tio Iroh. Olhei para dentro e comecei a me fazer a grande pergunta: ‘Quem é você e o que você quer?'”

“Também busquei a sabedoria de filósofos estoicos que eram grandes em diferenciar entre o que está sob nosso controle e o que não está. Percebi que não conseguia controlar a direção criativa da série, mas conseguia controlar como respondia. Então, optei por sair do projeto. Foi a decisão profissional mais difícil que já tive de tomar, e certamente não uma que tomei levianamente, mas foi necessária para minha felicidade e integridade criativa”.

“E quem sabe? A adaptação live-action de Avatar da Netflix tem potencial para ser boa. Pode acabar sendo um show que muitos de vocês vão gostar. Mas o que posso ter certeza é que, qualquer que seja a versão que apareça na tela, não será o que Bryan e eu tínhamos imaginado ou pretendíamos fazer”.

“Também quero deixar claro que isso não significa o fim do meu envolvimento no universo Avatar. Essas histórias e personagens são importantes para mim e o renovado interesse e entusiasmo em Avatar e Korra tem sido inspirador de ver”.

O que isso significa?

Definitivamente, isso é um pouco depressivo de se ler. DiMartino e Konietzko sabem qual foi a recepção da única adaptação live-action de sua obra, o filme de M. Night Shyamalan, e sua saída do projeto pode ligar o sinal de alerta dos fãs que assistiram ao filme.

Mas não vamos nos apressar em julgamentos ainda. Por enquanto, podemos permanecer cautelosamente otimistas. A Netflix tem um histórico forte, não vamos esquecer, e você deve imaginar que eles sabem que estão lidando com uma propriedade muito especial e estimada.

Como tal, temos esperança de que, mesmo sem o envolvimento de Michael Dante DiMartino e Bryan Konietzko, eles serão capazes de entregar uma série live-action que agrade os fãs de Avatar: A Lenda de Aang. O próprio DiMartino disse isso.

Curiosamente, a notícia vem pouco depois de rumores sobre a série começarem a ser mais definitivos. Recentemente, saíram notícias sobre a série ter 3 temporadas (como a original), sobre novas personagens e, no que os teóricos conspiratórios podem se debruçar mais, até mesmo um final diferente.