Conheça a história real de Maid, minissérie disponível na Netflix

O drama adapta best-seller sobre uma mãe solo que vivia na pobreza

Publicado em 05/10/2021 08:00
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Minissérie de forte impacto por apresentar uma narrativa cortante, Maid conta uma história real vivida por Stephanie Land, autora de um livro que serviu como base para o drama da Netflix. Ela participou de todo o processo de adaptação da obra e fez uma declaração elogiando os roteiristas por terem sido fiéis aos fatos.

Best-seller nos Estados Unidos, o livro de Stephanie ganhou no Brasil o título de Superação: Trabalho Duro, Salário Baixo e o Dever de uma Mãe Solo, lançado em 2019 pela Editora Alta Life. O grosso das páginas foi encenado na minissérie.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Fique por dentro da história real de Maid

Na produção da Netflix, Stephanie ganhou o nome de Alex (Margaret Qualley, de The Leftovers). A filha dela, chamada de Emilia “Mia” Story, foi rebatizada de Maddy (Rylea Nevaeh Whittet). E o pai da garota, o violento Jamie, atende por Sean (Nick Robinson, de A Teacher).

Toda a trajetória de Stephanie foi retratada em Maid, uma mãe solo que fazia faxina para sustentar a filha, após largar o lar por causa da violência psicológica e abusos do pai de Mia. A jovem de 28 anos tinha o sonho de ser uma escritora, mas ela ficou grávida após quatro meses de namoro com Jamie e a jornada em uma carreira precisou ser adiada.

O livro apresenta relatos detalhistas de algumas situações tristes pelas quais Stephanie passou. Como quando anunciou a gravidez ao companheiro e ele sugeriu o aborto: 

Sua ternura inicial mudou abruptamente quando eu disse a ele que não faria isso [interromper a gravidez]. Eu conhecia Jamie há apenas quatro meses, e a raiva -o ódio até- que ele me dispensou foi assustadora” – Stephanie

A agressividade de Jamie cresceu a partir dessa notícia. Ela relatou que os ataques explodiam desde quando a filha deles era pequeninha:

Mia tinha feito sete meses, mas já presenciara vários de seus rompantes de raiva; os ataques [de Jamie] e destruições me deixaram traumatizada” – Stephanie

Ela aguentou um ano de torturas praticadas por Jamie, tentando “fazer o relacionamento dar certo“. Mas os “abusos, ameaças e insultos” não cessaram.

A atriz Margaret Qualley no drama Maid (Divulgação/Netflix)

Burocracia terrível

Mesmo sem apoio moral ou financeiro da família, Stephanie largou o lar e Jamie, encarando uma vida solo ao lado de Mia. A menina tinha apenas nove meses de idade. Fugir daquele pesadelo era a única saída. 

Ela penou para arranjar um trabalho, uma moradia e se inscrever em programas de assistências sociais. Maid explorou bem esses detalhes das papeladas que precisavam ser preenchidas na busca de um auxílio governamental.

Stephanie destacou isso também no livro, dizendo que “ser pobre, viver na miséria, parecia um crime“, pois para conseguir um teto para morar, ela precisava cumprir requisitos como se estivesse em liberdade condicional, como realizar testes antidoping. “O meu crime era não ter meios suficientes para sobreviver“, desabafou.

Faltava dinheiro para comprar um lanche. Acontecimento que Maid mostrou com pequenas mudanças (terceiro episódio). Assim a autora escreveu no livro:

No espelho [de um banheiro do restaurante] estava aquela mulher exausta e sem dinheiro algum como resultado, alguém que não era capaz de comprar a porra de um hambúrguer [de US$ 10,59]” – Stephanie

Um meio de vida encontrado por ela foi ser faxineira, mesmo em condições longe das ideais, sem garantias trabalhistas, tendo de lidar com patroas arrogantes, sem folga e, principalmente, ganhando um salário baixo. Mas foi nesse trabalho que a jovem se recompôs e de onde saiu as experiências narradas no livro best-seller.

Stephanie Land durante entrevista para uma TV americana (Reprodução)

Vida nova

Em 2014, Stephanie obteve o que queria, um diploma universitário (graduação em escrita criativa). Ela foi aos poucos encontrando seu espaço como freelancer, produzindo textos até para grandes portais americanos.

Atualmente, ela vive na cidade de Missoula, Estado de Montana. É casada e tem quatro crianças (e dois cachorros). Quem quiser pode segui-la no Instagram: @stepville.

Em uma das postagens na rede social, Stephanie fez um depoimento emocionante agradecendo os roteiristas e todos que adaptaram o livro na minissérie da Netflix. A atriz Margot Robbie (Eu, Tonya) e o produtor John Wells (showrunner de Plantão Médico) fizeram parte do time de produtores executivos de Maid.

Leia o que Stephanie escreveu:

Durante todo esse processo de entregar minha história nas mãos de estranhos, fui forçada a acreditar que eles fariam justiça. E eles fizeram. E muito. Isso porque eles se interessaram verdadeiramente em aprender [sobre a minha vida] e usaram as experiências próprias para realmente transmitir o que é sentir insegurança alimentar, falta de trabalho e de moradia. Não é fácil estar em uma situação na qual milhões de pessoas vão assistir a  momentos de sua vida que você gostaria que seu corpo esquecesse. Mas foi um grande alívio saber que minha história esteve em boas mãos“.


Siga o Observatório de Séries nas redes sociais:

Facebook: ObservatorioSeries

Twitter: @obsdeseries

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio