Expresso do Amanhã (Fonte: Reprodução)
Expresso do Amanhã (Fonte: Reprodução)

No início da 1ª temporada de Expresso do Amanhã, Melanie (Jennifer Connelly) faz um anúncio para todos os passageiros, dizendo: “Somos um trem. E hoje, esse trem escolhe mudanças”.

No entanto, o Snowpiercer já defendia a “mudança” muito antes de chegar a esse ponto. Desde o primeiro dia, essa nova adaptação tentou se desviar do filme de Bong Joon Ho, ganhador do Oscar por Parasita, apresentando uma grande reviravolta no final do primeiro episódio.

O que começou como um mero mistério de assassinato tornou-se algo muito mais intrigante, expandindo essa reviravolta quando Layton (Daveed Diggs) descobriu todos os segredos por trás da sociedade distópica de Snowpiercer.

Mas, quando a primeira temporada chegou ao penúltimo episódio, o frágil domínio de Melanie sobre o trem provou ser tão instável quanto os trilhos em que Snowpiercer segue. Em seu anúncio, Melanie renuncia ao controle das “forças rebeldes” de Layton, mudando para sempre o status quo. Mas isso é apenas o começo de Expreso do Amanhã.

Entenda o final da 1ª temporada de Expresso do Amanhã

Agora que Layton está no comando, ele rapidamente descobre que assumir o Snowpiercer foi a parte mais fácil. É manter o controle do Expresso do Amanhã que pode ser seu fim.

O final da primeira metade da temporada explora o impacto dessa revolução e se os sonhos utópicos de Layton podem ser realizados. Mas os ocupantes do trem estão enfrentando problemas muito mais sérios do que a revolução.

Não apenas os passageiros das partes de trás estão se rebelando, mas a humanidade como um todo está cada vez mais perto da extinção, com os suprimentos de alimentos acabando e a danos causados ao próprio trem.

Como se isso não bastasse para Layton, que também tem um novo bebê a caminho, uma nova ameaça se aproxima de Snowpiercer, literalmente seguindo os mesmos trilhos que o Expresso do Amanhã.

Durante todo esse tempo, fomos levados a acreditar que este trem carrega tudo o que resta da humanidade. Mas chegada de um segundo trem, o Big Alice muda as coisas em um nível existencial. E essa não é a única grande revelação a ser enfrentada também.

Ao contrário do que Melanie revelou no início desta temporada, Wilford está vivo e é a força motriz por trás de Big Alice. Levou sete anos para ele alcançar o Snowpiercer, e isso só aconteceu agora porque o trem gradualmente perdeu velocidade a cada revolução.

Nos momentos finais da série, Big Alice atraca em Snowpiercer, permitindo que Wilford (que será interpretado por ninguém menos que Sean Bean) conseguisse obter o controle do sistema do Expresso do Amanhã. Mas Melanie não ficou muito satisfeita com isso. Então ela tenta desacoplar os trens. Infelizmente para ela, uma rápida freada a joga para fora.

Como ficará Snowpiercer na 2ª temporada?

Melanie sobrevive à queda (porque você não mata a vencedora do Oscar, Jennifer Connelly, sem uma ótima razão). O que ela não sabe é que Wilford enviou sua filha, Alexandra (Rowan Blanchard), à frente como emissária de Big Alice.

Até seguirmos pelos trilhos da 2ª temporada, os fãs não saberão como será o relacionamento entre mãe e filha no futuro. Será uma reunião feliz ou Wilford colocará Alexandra contra Melanie? Sete anos é muito tempo para se separar.

Embora o homem que começou tudo isso não apareça no final, foi confirmado que Sean Bean dará vida ao enigmático bilionário na próxima temporada. E sua chegada é talvez a maior mudança que esse programa já enfrentou.

De certa forma, Wilford e Big Alice representam esperança, trazendo ao Snowpiercer os recursos vitais necessários para reabastecer suprimentos e se consertar. Contudo, Wilford também traz uma forma refinada de caos, especialmente para as protagonistas; Não apenas ele provavelmente se vingará de Melanie, mas sua chegada também causará estragos na frágil democracia de Layton.

O showrunner Graeme Manson confirmou isso em uma entrevista ao The Hollywood Reporter, explicando que a redistribuição de poder e privilégio trará grandes mudanças na segunda (e já confirmada) temporada:

“É um fardo imenso suportar as tentativas de juntar as partes. O desafio real de Layton é reconciliar o revolucionário com o que ele pode ter que ser como político… Então quem está no horizonte, mas poderia ser o grande Sr. Wilford jogar tudo isso em desordem. Portanto, essa democracia nascente já está ameaçada”.

Le Transperceneige e a luta de classes

Enquanto a maioria dos habitantes do Snowpiecer achará nesse novo mundo um caminho mais difícil de trilhar do que nunca, Expresso do Amanhã colherá os benefícios quando se trata de contar histórias. A guerra de classes que está no coração dessa franquia é fascinante, mas também é algo que já vimos antes; no filme de 2013 e na graphic novel Le Transperceneige.

Ao se desviar das divisões de classe que separaram fisicamente os passageiros na primeira temporada, a segunda temporada do Snowpiercer agora está livre para explorar a guerra de classes em um nível mais insidioso e, finalmente, mais realista. Afinal, a Cauda agora está livre para percorrer o trem, mas isso não significa que tudo vai dar certo no futuro.

Sete anos de ressentimento e raiva reprimida farão com que quantidades sem precedentes de conflitos avancem. Considere isso com as várias facções, todas lutando pelo controle, e você verá um programa completamente diferente na segunda temporada.