Anya Taylor-Joy como Beth Harmon em O Gambito da Rainha (Fonte: Reprodução - Netflix)
Anya Taylor-Joy como Beth Harmon em O Gambito da Rainha (Fonte: Reprodução - Netflix)

Nos últimos dias a nova minissérie original da Netflix, O Gambito da Rainha se tornou um dos títulos mais acessados da plataforma de streaming. Baseado em fatos reais, a série aborda a história de uma jogadora prodígio do xadrez, no século XIX.

Vivida por Anya Taylor-Joy, a personagem Elizabeth se vê num cenário dominado por homens, mas isso não faz com que a mesma se desanime. Porém ao longo da série que mostra a origem, queda e ascensão da personagem, diversos detalhes passam em branco.

Pensando nisso, o Screen Rant desenvolveu uma lista com alguns fatos vistos na série que o público pode ter deixado passar despercebido pelo tabuleiro.

A fidelidade no tabuleiro

O Gambito da Rainha (Fonte: Reprodução - Netflix)
O Gambito da Rainha (Fonte: Reprodução – Netflix)

O espectador pode questionar algumas coisas ao longo da trama, porém a autenticidade do tabuleiro utilizado nos jogos não é uma delas! O por que? foram chamados para servir como consultores da série, dois mestres de xadrez, Gary Gusparov e Bruce Pandolfini.

Dito isso é possível afirmar que fidelidade no jogo, em todos seus quesitos, não faltaram, já que tiveram grandes nomes especializados na área.

A Magnum-Opus

O Gambito da Rainha Imagem: Reprodução
O Gambito da Rainha Imagem: Reprodução

Logo nos primeiros episódios Beth ganha o livro Modern Chess Opening s edição 7, no qual os jogadores de xadrez do início do século XIX consideravam como o santo graal. No entanto, ao decorrer da série quando Beth está na fase adulta, vemos a nona edição do livro.

Outra coisa que você pode notar ao longo da série, e chega a ser curioso, é que cada episódio contém um título relacionado a uma jogada específica do xadrez.

Capablanca

O Gambito da Rainha (Fonte: Reprodução - Netflix)
O Gambito da Rainha (Fonte: Reprodução – Netflix)

No inicio do segundo episódio, quando criança Elizabeth vai a biblioteca procurar livros relacionados ao xadrez. Afim de aprofundar seu estudo, o nome José Capablanca é citado.

Aos que desconhecem o nome, Capablanca foi um dos maiores jogadores que o xadrez já teve. Assim como a personagem vivida por Anya Taylor-Joy, o rapaz subiu rapidamente nas categorias do jogo de tabuleiro, ganhando fama rapidamente.

Reparação histórica?

beth e sua mãe Alma O Gambito da Rainha Imagem: Reprodução
Beth e sua mãe Alma O Gambito da Rainha Imagem: Reprodução

Quando Beth e sua mãe Alma (Marielle Heller) vão a loja roupas Ben Snyder’s, afim de fazer algumas compras, podemos notar um detalhe geográfico inusitado.

Próximo ao local é possível observar o prédio do Banco Lexington, no entanto, no período que a série é ambientada era para ser na verdade um teatro da cidade.

Defesa Caro Kann

Beth e Harry Beltik - O Gambito da Rainha Imagem: Reprodução
Beth e Harry Beltik – O Gambito da Rainha Imagem: Reprodução

A protagonista abraça sua primeira derrota quando enfrenta o feroz competidor Harry Beltik (Harry Melling). Por mais que tenha utilizado todas suas estratégias ela não contava com algo.

A jogada utilizada por Beltik é a famosa Defesa Caro Kann, uma estratégia de combater a abertura do peão que protege o rei, semelhante a defesa siciliana. Porém, essa garantiu sua vitória.

Mudanças históricas

Anna Taylor-Joy em O Gambito da Rainha Imagem: Reprodução
Anya Taylor-Joy em O Gambito da Rainha Imagem: Reprodução

A Netflix as vezes parece ter uma sério problemas com datas em seus materiais! Brincadeiras a parte, é compreensível que streaming tome essa posição, afim de adoçar a trama para o espectador.

Logo em seu primeiro episódio é visto que a protagonista pensa em roubar um exemplar da Chess Review Magazine. A capa da revista da época não coincide com a realidade, e um artigo visto na edição de 1963 só seria visto em 1968.

Mais mudanças históricas

Anya Taylor Joy como Elizabeth Harmon em O Gambito da Rainha (Fonte: Reprodução - Netflix)
Anya Taylor Joy como Elizabeth Harmon em O Gambito da Rainha (Fonte: Reprodução – Netflix)

Dito anteriormente, o exemplar que Beth pensa em roubar é lançado em fevereiro de 1963. Numa das publicações é visto Benny Watts (Thomas Brodie-Sangster) na capa, porém temos outra mudança histórica aí.

Embora o rosto de Benny Watts tenha substituído o do famoso prodígio do xadrez, Bobby Fischer. A verdadeira edição que tinha Fischer na capa foi lançada somente em outubro de 1963.

Defesa Siciliana de Schevenigen

O Gambito da Rainha (Fonte: Reprodução - Netflix)
O Gambito da Rainha (Fonte: Reprodução – Netflix)

A segunda queda da nossa protagonista ocorre no terceiro episódio, para o charlatão Benny Watts (Thomas Brodie-Sangster). Em segundo plano podemos observar as primeiras jogada de ambos por um painel eletrônico.

Os movimentos utilizados pela personagem remetem a uma variação de combinações, intitulada como Variação Sozin. A jogada utiliza-se da Defesa Siciliana de Schevenigen com a Variação Najdorf.

Amizade além dos castelos

David Benioff e D.B. Weiss (Fonte: Jeff Kravitz/FilmMagic)
David Benioff e D.B. Weiss (Fonte: Jeff Kravitz/FilmMagic)

No quinto episódio somos apresentados a uma dupla de jovens chamados Danny Weiss e David Friedman, aspirantes ao Xadrez.

Para aqueles que conhecerem a adaptação televisiva de Game of Thrones (esqueça do final!), o nome de ambos personagens são espécie de homenagem para os diretores. Scott Frank, showrunner de O Gambito da Rainha, é amigo de ambos.

Xeque-mate

Beth e Benny Watts O Gambito da Rainha Imagem: Reprodução
Beth e Benny Watts O Gambito da Rainha Imagem: Reprodução

Reprisando as lendárias jogadas da partida entre Paul Morphy e o Duque Karl/Conde Isouard, Beth e Benny disputam em uma partida competitiva de velocidade, no penúltimo episódio da série.

Assim como na histórica partida envolvendo Karl e Morphy, presenciamos o combo lendário de torre e bispo para ocorrer assim o xeque-mate.