Pathy Dejesus, Danielle Winits, Tainá Müller, Vaneza Oliveira e Mel Lisboa sugerem o que assistir na Netflix nesse Dia das Mães (Fonte: Reprodução)
Pathy Dejesus, Danielle Winits, Tainá Müller, Vaneza Oliveira e Mel Lisboa sugerem o que assistir na Netflix nesse Dia das Mães (Fonte: Reprodução)

Devido a pandemia do Coronavírus (Covid-19), estamos nos vendo obrigados a ficar em casa de quarentena. E isso pode ser um pouco mais massante especialmente nesse domingo, 10 de maio, por comemorarmos o Dia das Mães. Mas a Netflix pode nos ajudar, como tem feito durante todo esse processo para evitar o espalhamento da doença.

Convidadas pelo streaming, as atrizes Mel Lisboa (Coisa Mais Linda), Vaneza Oliveira (3%), Tainá Müller (Bom Dia, Verônica), Danielle Winits (Tudo Bem no Natal Que Vem) e Pathy Dejesus (Coisa Mais Linda) convidam você e sua família a separar a pipoca e se esparramar no sofá para descobrir quem são as mães da ficção favoritas delas no catálogo da Netflix. Uma boa dica para assistir nesse domingo em família, não é?

Mel Lisboa

A Thereza de Coisa Mais Linda recomenda História de Um Casamento pela personagem Nicole, vivida por Scarlett Johansson:

“Nicole é uma mãe real, que tenta acertar e ser a melhor mãe que puder. Mas que, ao tentar acertar, também erra. Carinhosa, ela ama seu filho, e isso é incontestável. Porém, também valoriza a sua trajetória, o seu ‘eu’, o que a faz ser alguém no mundo, para além de mãe. Fora isso, Nicole, assim como eu, é atriz, casada com um outro artista; no caso dela, um diretor de teatro; no meu caso, um músico. Me vejo em Nicole e vejo Nicole em mim”.

Vaneza Oliveira

A Joana na série 3%, indica Pose por causa de Blanca, vivida por MJ Rodriguez, uma nova-iorquina trans que se torna mãe de jovens gays e transexuais rejeitados por suas famílias nos anos 80.

“Para mim, essa personagem é a grande mãezona que existe na Netflix. Acho que ela representa tudo que a maternidade representa. A Blanca protege muito os filhos dela, está o tempo todo preocupada em ser um bom exemplo, em ensinar e mostrar como funciona o mundo, falar de suas experiências. Essa é uma troca que a gente realiza o tempo todo quando a gente é mãe. Sem falar que é uma maternidade que foi escolhida, né? Eu também escolhi a minha, por mais que eu tenha sido mãe com 17 anos. A idade não foi uma escolha, mas o compromisso diário, sim”.

Tainá Müller

Protagonista da nova série original brasileira Bom Dia, Verônica, que estreia neste ano, recomenda Stranger Things por conta de Joyce Byers, papel de Winona Ryder, mãe de Will:

“Ela é meio atrapalhada, intensa, mas faz qualquer coisa para defender seu filho. Eu me identifico com a Joyce”.

Danielle Winits

Do ainda inédito filme Tudo Bem no Natal Que Vem, a atriz sugere Bird Box, cuja protagonista Malorie Hayes, vivida por Sandra Bullock, é uma mãe determinada a salvar seus filhos em um mundo pós-apocalíptico.

“Escolhi a Malorie porque, para proteger e salvar meus filhos, eu seria capaz de enxergar até na mais completa escuridão”.

Pathy Dejesus

A Adélia de Coisa Mais Linda, indica Criando Dion, que revela a trajetória da viúva Nicole, interpretada por Alisha Wainwright.

“Além de trazer uma história leve, que envolve todo um lado lúdico de super-herói, a série traz também uma complexidade maior, que é o entendimento sobre o nosso papel no mundo. E tem um ponto chave para mim: representatividade. É uma série que o meu filho pode assistir mais para frente e se enxergar”.

“A Nicole, traz uma força, como mãe, que me toca. Batalha para criar o filho e faz sacrifícios profissionais e pessoais para estar com ele. Com uma criança muito pequena ainda, a Nicole já tem que explicar o que é o racismo, porque o filho sofre uma perseguição na escola e não entende o porquê. Ela precisa explicar que é pelo simples fato de ele ser da cor negra. Isso me doeu na alma quando assisti”.