5 razões para ficar animado com House of the Dragon, prequel de Game of Thrones

Game of Thrones (Fonte: Reprodução)
Publicidade

Mesmo com um final controversoGame of Thrones foi um sucesso absoluto durante seu tempo de exibição, sendo considerada a melhor série do século e levando o Emmy por sua 8ª temporada. Mas isso não impediu que David Benioff e D.B. Weiss, criadores e showrunners da série, ficassem marcados como culpados, o que resultou em seus futuros projetos sendo descartados pela HBO.

George R.R. Martin, criador da franquia, está escrevendo o sexto livro de sua obra literária As Crônicas de Gelo e Fogo, intitulado Os Ventos do Inverno, e tem a chance de consertar as decepções da série. Mas isso não é o fim de GoT na televisão. Após uma prequel ser descartada, outro spin-off recebeu luz verde na emissora: House of the Dragons.

Situada 300 anos antes dos eventos de Game of Thrones, House of the Dragon jpa anunciou parte do seu elenco. Paddy Considine como Rei Viserys Targaryen, Matt Smith como Príncipe Daemon Targaryen, Emma D’Arcy como Princesa Rhaenyra Targaryen e Olivia Cooke como Alicent Hightower. A página oficial da série descreve suas persoangens.

Continua depois da publicidade

O spin-off é baseado em outro livro de Martin, Fogo & Sangue, que conta a história da Casa Targaryen em Westeros. Segundo o Deadline, a guerra civil de Westeros conhecida como Dança dos Dragões, parece constituir uma grande parte da história desta prequel.

House of the Dragon está programada para estrear em 2022, tanto na HBO quanto na HBO Max, e se tudo o que você já sabe sobre a série não te convenceu, confira 5 razões para ficar animado com a chegada do spin-off:

Sapochnik

Miguel Sapochnik dirigiu alguns dos episódios mais fascinantes de Game of Thrones. Incluindo o aclamado Hardhome, na 5ª temporada e Battle of the Bastards, na 6ª temporada. Já na 8ª e última temporada, ele dirigiu The Long Night e The Bells. Esses dois últimos podem ter sido criticados pelos fãs… Mas foi por causa do roteiro. A direção artística foi aclamada pela crítica.

Em House of the Dragon, ele dirigirá e atuará como showrunner ao lado de Ryan J. Condal (que ajudou a criar a adaptação televisiva de GoT ao lado de George R.R. Martin, autor da saga As Crônicas de Gelo e Fogo). Decerto, um sinal muito forte de que o spin-off terá a aparência e sensação da série original.

Cara ou Coroa

A série acontecerá 300 anos antes dos eventos de Game of Thrones. E, de acordo com o que estão dizendo as promos oficiais, registrará “o começo do fim para a Casa Targaryen”. E você sabe o que eles dizem sobre essa família incestuosa: quando nascem, os deuses jogam uma moeda no ar “e o mundo prende o fôlego para ver de que lado ela vai cair”.

O que significa que veremos grandes heróis e grandes loucos! O final da dinastia Targaryen, que veio com a Rebelião de Robert, é um ótimo exemplo disso. De um lado, tínhamos Rhaegar, que muitos ansiavam para ver no trono, até que foi acusado (injustamente, segundo o show) de sequestrar Lyanna Stark. Do outro, seu pai, Aerys II, conhecido como o Rei Louco, que tentou queimar Porto Real e, mesmo antes disso, já tinha uma péssima aparência e vivia paranoico com conspirações para tirá-lo do trono.

Game of Thrones raiz

Parte da diversão da série original era ficar imerso em seu mundo e aprender quem amava, ou odiava, ou cobiçava, ou temia ou confiava em quem. E agora teremos a chance de fazer isso novamente: com uma nova lista de personagens, muitas performances novas e uma época até agora não prevista.

O cancelamento da potencial série estrelada por Naomi Watts não é sem motivo. Mesmo com uma queda significativa de qualidade após o fima da 4ª temporada, o show só realmente dividiu os fãs com a Batalha de Winterfell, no episódio The Long Night, no que muitos viram uma facilidade em enfrentar aqueles que, supostamente, deveriam ser os grandes vilões da série. Retornar ao foco político é uma boa aposta.

Zona de Conforto

Por mais que o final da série de fantasia medieval tenha sido controverso, uma coisa todos os fãs concordam: sentimos falta de Westeros. Após 9 anos que trouxeram 8 temporadas desse universo, não poderia ser diferente. Da Muralha até o Braço de Dorne, sentimos falta de cada um dos Sete Reinos.

O spin-off não só trará locais e Casas com as quais estamos acostumados, ainda será capaz de trazer panoramas diferentes; Westeros viveu muitos momentos e, durante a dinastia Targaryen, Casas ascenderam e caíram.

Dragões

Os dragões de Daenerys acabaram por criar um problema que ficou nítido na última temporada: ninguém tinha chance contra ela e três dragões. Com apenas um, ela destruiu Porto Real. Quantos aos outros dois, um teve de mudar de lado e outro foi morto de uma forma pífia.

Podemos acompanhar a chegada de Aegon, o Conquistador, o que não seria tão diferente. Mas o período explorado também poderia ser a guerra civil Targaryen conhecida como A Dança dos Dragões. Assim, teríamos dois lados montando as criaturas. Além, é claro, das intrigas políticas.

https://observatoriodeseries.uol.com.br/tv/hbo/house-of-the-dragon-tem-chance-de-ser-tao-grande-quanto-game-of-thrones-3

Publicidade
© 2022 Observatório de Séries | Powered by Grupo Observatório
Site parceiro UOL
Publicidade