William virou
William virou "mocinho"? O que isso significa para Westworld? (Fonte: Reprodução)

Desde antes de Westworld ser Westworld na HBO, a personagem chamada “O Homem de Preto” tem sido a fonte de quase todas as reviravoltas na trama. No filme original de 1973, o Homem de Preto era um robô anfitrião interpretado por Yul Brynner, que não se parece muito com o Homem de Preto que é o William de Ed Harris, embora ambos compartilhem uma predileção por violência excessiva. Dito isto, seja o longa-metragem de 73, a 1ª temporada do show da HBO, ou a 3ª temporada atualmente em exibição, o Homem de Preto, em algum nível, é o homem na sela, fazendo o enredo galopar.

Até agora, na 3ª temporada, o Homem de Preto provavelmente fez a maior auto-exploração de qualquer outra personagem em Westworld. A Charlotte Hale de Tessa Thompson, cujo corpo abriga uma das versões de Dolores (Evan Rachel Wood) o convenceu brevemente a comparecer à assembleia geral para ajudar na votação contra Sercac (Vincent Cassel). Mas, no último minuto, ela o trancou em uma instituição mental, pouco depois de revelar sua verdadeira identidade.

Mesmo antes disso, o Homem de Preto estava lutando com o assassinato “acidental” de sua própria filha, Emily (Katja Herbers), na 2ª temporada. Ele acreditava que ela era uma anfitriã. Então ele a matou. Mas, aparentemente, ele estava errado. Essa não é a única morte na família pela qual William se sente responsável. Afinal, ele passou anos matando e torturando anfitriões no parque da Delos, comportamento que acabou levando sua esposa a cometer suicídio.

Decoherence

Em Decoherence, o sexto episódio da 3ª temporada de Westworld, William voltou a afirmar-se como a personagem principal dominante de toda a série. Na verdade, ele agora pensa que é “o mocinho” dessa história, em uma meta-linguagem tão sutil que Deadpool jamais a veria passando. Mas o que isso poderia significar para o psicopata que se vê realmente pronto para se tornar um herói? Bom, existem, ao menos, três maneiras de pensar sobre o que o futuro de Westworld reserva para o Homem de Preto.

Depois de receber algo chamado “Tratamento AR“, que é suspeitosamente parecido com o que aconteceu com Caleb (Aaron Paul) nos flashbacks das últimas semanas, o Homem de Preto confrontou várias versões passadas de si mesmo e, como um bônus, seu sogro, James Delos (Peter Mullan). Isso significa que Jimmi Simpson aparece novamente como um jovem William, o que nunca é cansativo de se assistir. Mas o que realmente chama a atenção é uma versão infantil de William, que, aparentemente, também era uma criança violenta.

O “mocinho

Depois de literalmente matar todas as versões passadas de si mesmo (o que certamente serve como uma metáfora, mas que é visualmente violento), o Homem de Preto é descoberto ainda preso aos óculos de realidade virtual por Bernard (Jeffrey Wright) e Stubs (Luke Hemsworth), que parecem estar fugindo, recém-saídos de seu encontro com Dolores no episódio anterior. Bernard observa que as pessoas que administram as instalações mentais parecem ter deixado William sozinho, presumivelmente porque a sociedade entrou em colapso depois que Dolores divulgou os dados de INCITE para todos.

Enquanto tudo isso acontece, é revelado que há uma “proteína desconhecida” no sangue de William. Mais tarde o episódio parece implicar que há algum tipo de tecnologia de armazenamento de dados em sua corrente sanguínea, com Charlotte lhe transmitindo dados roubados da Delos. William também diz ao sogro que ele não se importa com o que era “antes” porque agora ele acha que encontrou seu objetivo. “Eu sou o mocinho”, diz ele.

Mas o que isso significa?

William legitimamente mudou

A noção de livre-arbítrio assombrou a mente do Homem de Preto desde a primeira temporada. Alguém poderia argumentar que suas experiências nas instalações mentais finalmente lhe deram uma clareza maior, provando que, de fato, ele tem livre-arbítrio. Mas, porque muitas pessoas (anfitriões ou não) não o tem, também, isso quase não importa.

Chame de anti-epifania. Mas parece que a atitude de William no final do episódio poderia ser explicada por um: “Foda-se. Tudo é tão terrível, para que justificar alguma coisa? Eu posso apenas decidir ser bom. Ainda não tentei isso”.

Se William está usando o niilismo de sofá para se convencer de que ser um herói pode ser divertido… Os desenvolvimentos dessa conclusão podem realmente ser interessantes. Nesse caso, não estaríamos lidando com uma reviravolta na trama, por assim dizer, mas com desenvolvimento real de personagens.

O Homem de Preto é um anfitrião

Como William foi, aparentemente, o pioneiro na ideia de que humanos reais poderiam viver para sempre nos corpos dos anfitriões, é razoável que em algum momento uma versão de anfitrião de si mesmo tenha sido criada. No último episódio da 2ª temporada, The Passenger, uma cena pós-créditos envolvendo uma versão anfitriã de William é aparentemente retratada.

Quando esse episódio foi ao ar, a escritora de Westworld, Lisa Joy, disse ao The Hollywood Reporter que a cena ocorria muito além de um momento que já vimos na série, implicando que essa “versão” do Homem de Preto como anfitrião é seu eventual destino, e não a mesma versão das três primeiras temporadas.

Mas se o Homem de Preto eventualmente se torna um anfitrião em um futuro distante, quem dirá que ele já não é um? Se ele é, então a pergunta seria realmente: há quanto tempo esse é o caso? E o futuro Homem de Preto hospeda uma cópia diferente de William? E se sim, por que existem várias cópias de William?

Esse episódio pode até vagamente sugerir que vários Williams anfitriões já existem. O fato de o Homem de Preto matar várias versões de si mesmo poderia prenunciar um confronto mais literal com outro anfitrião William no final da temporada. Além disso, Maeve (Thandie Newton) tem pelo menos mais um corpo-anfitrião que está sendo impresso para ajudá-la a criar um “esquadrão” (que aparentemente configura-se de apenas duas pessoas) para combater Dolores. E, bem, mesmo que seja o corpo, sabemos que não é a mente de Hector (Rodrigo Santoro).

Talvez, uma aposta segura dessa nova ajuda de Maeve seja Teddy (James Marsden), que até agora foi esquecido pela temporada. Afinal, ver Teddy novamente pode mexer com Dolores. E vê-lo finalmente enfrentar seu antigo amor, que não compactua mais com seus sensos de justiça e moral, seria no mínimo interessante. Mas não podemos descartar a possibilidade, mesmo que remota, de ser mais uma cópia de William. Quem sabe Jimmi Simpson não retorne como regular para a série, ao lado de Ed Harris?

Dolores precisa de William

Obviamente, o aspecto mais confuso disso tudo é o fato de que Charlotte envia os dados secretos para William por meio de algum tipo de e-mail via satélite. Supondo que isso fosse possível por meio de alguma tecnologia no sangue de William, ou pelo fato de ele ser um anfitrião, isso realmente faz você se perguntar o porquê.

Pensamos, inicialmente, que Dolores estava colocando William no manicômio para torturá-lo. Mas agora parece que o plano era colocá-lo em um lugar seguro, para que os anfitriões pudessem enviar esses dados quando precisassem de algum lugar para escondê-los. E, é claro, torturá-lo no processo. Isso parece implicar que William é uma parte muito maior do plano de Dolores do que pensávamos.

Para ser justo, o plano de Dolores ainda é bastante nublado. Mas o fato de que essas informações estão sendo “confiadas” a William, mesmo que ele não saiba, pode vir a ser um grande problema. Se o Homem de Preto agora é o “herói” e está se unindo a Dolores, isso implica que Dolores não está realmente tentando destruir a humanidade. Agora, parece que além de libertar os anfitriões de seus loops, o mesmo pode ser o caso para toda a humanidade.