Netflix (Fonte: Reprodução)
Netflix (Fonte: Reprodução)

Não há dúvidas de que a Netflix é o maior serviço de streaming do mundo. Com produções originais em diversos países, incluindo o Brasil, a empresa foi a pioneira na chamada “guerra dos streamings“, que vê serviços como Amazon Prime Video, Apple+, Hulu, Disney+ e a futura HBO Max correndo atrás da gigante “locadora vermelha“.

Ainda assim, muitos se perguntam sobre a audiência exata do streaming. Raras são as vezes em que a Netflix liberou dados sobre o seu público. Mesmo quando o fez, dificilmente foram números exatos. Certamente, essa postura atiça a curiosidade dos fãs.

Contudo, a Netflix revelou com antecedência para o Observatório de Séries o resultado de uma pesquisa feita pela NetQuest, entre os dias 13 e 15 de janeiro de 2020, com base nas respostas de 1 mil pessoas, entre 16 e 25 anos. A amostra foi equilibrada por idade e gênero e representativa de uma população adulta online que assiste a filmes e programas de TV via streaming, TV paga e TV aberta no Brasil.

Confira os dados revelados pelo streaming:

  • 69% dos brasileiros dizem que encontrar personagens que passam pelas mesmas situações que eles na tela é um fato importante na hora de decidir ao que assistir.
  • 49% dos que responderam sentem que situações que acontecem em uma série ou filme acontecem com freqüência em suas vidas (ou seja, pelo menos uma vez por mês).
  • 8 em cada 10 (79%) jovens disseram que agora eles se veem mais na tela do que antes.
  • 60% sentem que elas se encontram mais refletidas na tela do que há 5 anos atrás.
  • 57% já se perguntaram “o que o meu personagem favorito faria nessa situação”.

O que esses dados querem dizer?

Em entrevista exclusiva para o Observatório de Séries, Maria Angela de Jesus, diretora brasileira de produções originais da empresa no país, comentou um pouco esses dados.

“A pesquisa na verdade embasa um pouco dos caminhos que a Netflix tem buscado para falar com essa audiência jovem”, revelou Maria Angela. “Eu acho que os jovens tem uma relação muito próxima com a Netflix, a nossa marca fala muito com essa audiência”.

“A gente percebe que esse jovem está em busca de conteúdos e que esse jovem não vinha sendo tão fortemente atendido, no sentido de ter conteúdos que falassem com eles”, esclareceu a diretora. “Então nós buscamos conteúdos que abram esses diálogos, que não sejam tão romantizados. Que sejam mais próximos da realidade de cada um deles”.

Sintonia

A série nacional Sintonia, Original Netflix, foi um dos maiores sucessos brasileiros do streaming e serviu para exemplificar o trabalho da empresa em buscar se comunicar com o público jovem adulto e representá-lo de forma fidedigna, como explica Maria Angela:

“Nós tivemos muita resposta, por exemplo, com Sintonia. De como a série fala com uma audiência jovem, uma audiência forte, e que não se sente representada. Esse é o nosso caminho principal”.

“Quando a gente olha para Sintonia, ela vai para uma periferia de São Paulo ainda pouco retratada quando a gente olha para os conteúdos nacionais. Eu lembro que, quando saíram os primeiros trailers de Sintonia, os comentários de muitos jovens nas redes sociais eram exatamente isso; eu lembro de duas meninas, uma comentando para a outra: ‘Pô, é a gente na balada sábado a noite‘; ‘É a gente‘; ‘É nóis‘. Então você percebe que você tá ampliando seu universo. E trazendo de fato uma audiência que não estava sendo atendida”.

Confira a entrevista completa aqui, falando sobre as novidades do streaming, o que esses dados revelam, e sobre o Tudum Festival, que acontece em São Paulo entre 25 e 28 de janeiro de 2020.