Stranger Things e Netflix mudam política sobre cigarro nas telas; entenda a polêmica

Publicadohá pouco tempo
Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

A Netflix foi recentemente citada em um novo estudo para representações freqüentes de cigarros em séries que distorcem a juventude. Assim, séries originais do streaming, como Stranger Things, são alguns dos show acusados. Portanto, a Netflix está prometendo eliminar a prática, ou pelo menos reduzi-la, em futuros projetos. Assim informa o Deadline.

A resposta da Netflix

Contudo, a empresa diz que isso comprometeria a “expressão artística”. Mas reconheceu ao novo estudo da Truth Initiative “fumar é prejudicial e quando retratado positivamente na tela pode influenciar adversamente jovens”. Dessa forma, prometeu que todos os novos projetos comissionados de TV, com faixa de censura etária de 14 ou menos (PG-13) não terão mais cigarros ou fumantes, “exceto por razões de precisão histórica ou factual”.

Continua depois da publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio

Para novos projetos destinados a espectadores mais velhos, “não haverá alguém fumando nem cigarros eletrônicos, contanto que não seja essencial para uma visão criativa do artista ou seja definidor de personagens”. Contudo, mesmo citada, Stranger Things 3 não entra nas regras estabelecidas, tendo em vista sua estreia em breve.

A Netflix também prometeu que, a partir do final deste ano, as informações sobre tabagismo serão incluídas como parte de suas classificações apropriadas à idade “para que nossos membros possam fazer escolhas informadas sobre o que assistem”. O compromisso parece fornecer bastante espaço de manobra. Afinal, “essencial para a visão criativa” ou “definidor de caráter” é um espaço bastante subjetivo. Além de facilmente justificável. Mas o anúncio reconhece as descobertas da Truth Initiative mesmo assim.

O estudo

Em uma atualização de seu estudo de 2018, “While You Were Streaming”, a Truth Initiative encontrou 1.209 “representações de tabaco” em episódios da temporada 2016-17. 866 dessas representações foram na Netflix. Assim como definido pelo estudo, as “representações” incluíam tudo, desde cigarros em um cinzeiro até embalagens em uma prateleira de loja. Mascerca de 54% das representações apresentaram um cigarro na mão ou na boca de uma personagem.

Das 866 representações da Netflix, 292 estavam em Unbreakable Kimmy Schmidt, 262 em Stranger Things e 233 em Orange Is the New Black. No entanto, a representação em Unbreakable Kimmy Schmidt provavelmente merece um asterisco. Afinal, o enorme aumento da contagem do estudo deveu-se em grande parte às cenas em uma loja que continha uma prateleira de produtos de cigarro. Assim de acordo com o relatório. Os programas não foram selecionados aleatoriamente. O estudo mostra os shows mais populares entre os jovens entre 15 e 24 anos.

No total, os pesquisadores descobriram que as representações do tabaco na tela aumentaram em relação à temporada anterior. Confira os gráficos mais abaixo. Assim, aproximadamente 28 milhões de jovens foram expostos ao tabaco por meio de programas de televisão e transmissão. Isso apenas por meio desses programas mais populares. O relatório cita análises externas que estimam que a exposição ao uso de tabaco no cinema é responsável por 37% da iniciação do tabagismo entre jovens fumantes.

Cigarros eletrônicos

Embora as representações do tabaco estivessem em alta, o estudo constatou que a TV parece não ter adotado o hábito do cigarro eletrônico. O produto mais recente responde por menos de 1% das representações do tabaco. Mas aqui, mais uma vez, a Netflix era a principal ofensora. Assim, responsável por todas as representações do uso de cigarros eletrônicos. Incluindo 10 em Fuller House, uma em Unbreakable Kimmy Schmidt e duas em House of Cards.

Publicidade

Carregando...

Não foi possível carregar anúncio