The Mandalorian (Fonte: Reprodução)
The Mandalorian (Fonte: Reprodução)

The Mandalorian chegou ao Disney+ com todo o peso de ser a primeira série live-action Star Wars. E o que a Lucasfilm viu Jon Favreau fazer foi muito mais do que criar o já tão popular Baby Yoda. Mesmo com todo o peso da franquia, o programa conseguiu se mostrar de digno do universo.

O show é um grande faroeste tecnológico que claramente se inspirou no Pistoleiro sem Nome de Clint Eastwood para trazer à vida o mandaloriano de Pedro Pascal. Enquanto vamos descobrindo aos poucos o passado do caçador de recompensas, a série apostou tanto nesse conceito de Sergio Leone que resolveu seguir seu caminho sem mostrar o rosto da personagem.

E se essa escolha lhe parecer ousada, é porque, de fato, ela é. Ao mesmo tempo, depois de colocada em prática, é notável como a direção se encarrega de colocar o mandaloriano em uma posição na qual ele se conecta com o público mesmo sem nunca vermos uma expressão de seu rosto. Decerto, um dos grandes trunfos do programa.

A qualidade do programa não fica só por suas personagens. Mesmo que estas devam marcar o universo cânone de Star Wars. Baby Yoda já está deixando sua marca na cultura pop. E ter Werner Herzog em uma de suas raras aparições como ator interpretando O Cliente cai muito bem para o programa. Enquanto Carl Wheaters, Gina Carano e Emily Swallow também trouxeram personagens muito interessantes para a série, e a expectativa do público deve ser de vê-las novamente. Mas é Giancarlo Esposito que promete se mostrar mais presente na 2ª temporada, trazendo um vilão que promete se tornar um clássico na franquia.

Outra coisa que chama a atenção sobre The Mandalorian é a sua estrutura narrativa. Embora os três primeiros episódios se mostrem realmente como sequências, assim como os dois finais, o meio da temporada de 8 episódios acaba por trazer episódios mais “independentes”, que poderiam até funcionar como pequenos curtas com apenas algumas mudanças. Enquanto isso pode ser considerado uma leve barriga para alguns, visto que a história principal não se move tanto, é demasiado acertado apresentar ao público o cotidiano do caçador de recompensas. Além disso, o formato permite explorar os mais diversos cantos da tão rica e grande galáxia de Star Wars.

Os fãs de longa data da franquia certamente se sentirão em casa com The Mandalorian. E mesmo aqueles que nunca ouviram falar de Star Wars (se estes de fato existirem), podem começar a acompanhar o show como uma porta de entrada. Saindo no mesmo ano em que o final da trilogia sequel, o show eleva o nível de ação da franquia e se mostra o produto audiovisual mais Star Wars a ser lançado desde O Retorno de Jedi.