Foi longe demais! Dragon Ball Z deveria ter acabado com a Saga Cell (Fonte: Reprodução)
Foi longe demais! Dragon Ball Z deveria ter acabado com a Saga Cell (Fonte: Reprodução)

Decerto que todas as sagas de Dragon Ball Z trazem lutas de tirar o fôlego dos fãs. Mas infelizmente, o clímax canônico do anime não atinge o mesmo nível do resto da série. Especialmente considerando o quão forte foram as tramas anteriores. A saga de Boo é facilmente a pior parte da animação, abraçando os piores aspectos da franquia.

A Saga Boo

A Saga Boo acontece sete anos após o Torneio de Cell. Durante a batalha contra o androide, Goku foi morto. Assim, acabou por permanecer na vida pós-morte desde então. Enquanto isso, Gohan é agora um adolescente de 17 anos, indo à escola e formando uma relação com a filha de Mr. Satan, Videl. Ele até assumiu uma identidade secreta como o super-herói Super Saiyaman. Além disso, seu irmão mais novo, Goten, criou uma amizade com Trunks, filho de Vegeta e Bulma. O resto dos Guerreiros Z também se adaptaram ao mundo pacífico.

Então, Goku volta à vida brevemente, para participar de um novo torneio de artes marciais. Mas o malvado Babidi usa esse torneio como uma oportunidade de coletar energia suficiente de seus participantes para reviver Majin Boo, um antigo e imparável lutador adormecido. Vegeta se alia brevemente com Babidi para conseguir poder suficiente para finalmente derrotar Goku. Mas acaba se sacrificando em uma tentativa de matar Majin Boo e salvar os outros. A tentativa é falha, e Majin Boo acaba solto pelo mundo após matar Babidi. Mr. Satan acaba conseguindo fazer amizade com o vilão. Mas após seu amigo ser ferido por um homem armado, Boo perde o controle.

Ele se separa de seu lado maligno, Evil Boo, que acaba consumindo Majin Boo e se tornando o poderoso Super Boo. O Guerreiros Z (incluindo Gotenks, uma fusão entre Goten e Trunks, capaz de assumir a forma Super Saiyajin 3, apresentada por Goku anteriormente nessa saga) e a maioria de seus aliados foram mortos ou consumidos por Super Boo. Assim, os revividos Goku e Vegeta (e o quase inútil Mr. Satan) são os únicos lutando contra o vilão, que é forçado a assumir sua última e mais poderosa forma: Kid Boo. Nesse meio tempo, a Terra acaba sendo até mesmo destruída, varrendo a humanidade do universo. Entretanto, tudo volta ao normal com as Esferas do Dragão de Namekusei.

Ao final, Goku (com a ajuda de um não-mais-tão-inútil Mr. Satan) acaba conseguindo destruir Kid Boo com uma Genki-Dama desproporcional criada a partir da energia de todo o mundo revivido.

Personagens deixadas de lado

A Saga Boo é Dragon Ball Z trazendo um novo arco com os aspectos mais fáceis e descartáveis da franquia. Aqui, o anime perde seu senso de personalidade, o que era há muito tempo um dos pontos altos da franquia. O eclético elenco de lutadores acaba se tornando apenas uma vitrine na saga, com os Guerreiros Z que não são Saiyajins se prestando à papéis menores. Anteriormente, Dragon Ball ainda dava aos seus personagens coadjuvantes um papel mais importante durante o decorrer da história. Mesmo não fazendo muito para derrotar Cell, personagens como Yamcha, Kuririn, Tenshinhan, Piccolo e até Bulma, que não é uma lutadora, fizeram muito pela história. Mas nessa saga, eles servem apenas como corpos para serem jogados em Boo.

O tempo de tela é dedicado principalmente para novas personagens. Videl é uma presença sólida, uma ousada e divertida contraparte para Chi Chi, se manifestando como uma jovem mulher que motiva Gohan a ser um melhor lutador. Mas ela tem pouco para fazer na história real, que começa de fato após o retorno de Majin Boo, sendo rapidamente colocada para escanteio. Já Goten e Trunks são praticamente insuportáveis. Diferente da criança que foi Gohan em Dragon Ball Z, eles não tem dificuldade nenhuma em atingir o pico de seu poder. No entanto, suas travessuras se destacam mais do que qualquer outra coisa, servindo como um alívio cômico filler. E isso só piora quando eles se transformam em Gotenks, não adicionando absolutamente nenhuma profundidade para a saga.

Os poucos destaques da saga ficam com as poucas personagens que realmente tem algum desenvolvimento, como Vegeta e Mr. Satan. Mas eles são praticamente únicos. Os arcos de personagens e grandes aventuras que inundavam a franquia são substituídas batalhas incessantes com as diferentes formas de Majin Boo, que morrem na praia tentando arrancar risadas fáceis do público.

Gohan

Os problemas com Gohan são um capítulo à parte. Desde que Dragon Ball havia se tornado Dragon Ball Z, o show foi cada vez mais se centrando em seu desenvolvimento, tanto como personagem quanto como um guerreiro. Ao fim da Saga de Cell, que teria sido um belíssimo final para a franquia, Gohan é quem vence o vilão, mostrando-se um substituto perfeito para Goku, ultrapassando seu pai em poder e dando um término digno para a franquia que acompanhava o Saiyajin e para seu protagonista, que encerraria ali seu tempo como protetor da Terra, passando o legado para a nova geração.

Mas tudo isso é jogado no lixo com a forma como ele é rapidamente ultrapassado nas batalhas da Saga Boo, sendo substituído por seu pai, que retorna com um aumento de poder massivo. Seu arco de se tornar mais forte que seu pai na Saga Cell se torna irrelevante quando Goku reassume seu posto de herói central. Mesmo depois dele treinar com a Espada-Z (que é quebrada antes mesmo de ser usada em batalha, se tornando apenas mais um alívio cômico filler, assim como Gotenks), Gohan é facilmente dominado e absorvido por Boo, se tornando apenas mais um cadáver em uma fila com tantos. Dessa forma, se torna quase tão irrelevante quanto Videl quando Majin Boo retorna. Gohan parece somar todos os problemas de personagens da saga em uma só.

A Saga Boo representa TUDO de errado no anime

O problema com a Saga Boo é que ela perde tudo o que fazia de Dragon Ball uma série encantadora e envolvente. As apostas se tornaram muito altas, indo para escalas apocalípticas tão casualmente que não há tempo (mesmo com TANTOS fillers) para elas serem desenvolvidas. Mesmo as Esferas do Dragão, que dão nome para a franquia, são amplificadas e perdem sua raridade e importância, com as Esferas de Namekusei tão rapidamente preparadas. Ao invés de usar isso para aprofundar suas personagens, tudo é resolvido com gritos e explosões de alta magnitude. E embora isso exista anteriormente, a Saga Boo torna isso o seu centro, esquecendo todo o resto.

Vilões como Freeza e Cell foram memoráveis além de serem altamente perigosos e poderosos. Havia um propósito, mesmo que comum e maniqueísta. Mas não há realmente uma personalidade em Boo, que vira apenas um problema que quer explodir tudo. A criatividade em derrotar vilões e seus capangas desaparece no momento em que Boo é introduzido.

Há também a falta de emoções associadas ao crescimento de poder das personagens. Enquanto as transformações Super Saiyajins eram definidas por necessidades emocionais, aqui as transformações vão aparecendo casualmente, sem fazer alarde. Goku é advertido sobre o Super Saiyajin 3, não por drenar muito sua energia, mas por ser apenas uma perda de tempo. As fusões também aparecem do nada, apenas para serem jogadas fora no decorrer da história, sem fazer diferença nenhuma no conflito final.

Dragon Ball Z poderia facilmente ter dado um salto temporal do Torneio de Cell para Dragon Ball Super. Videl, Goten, Trunks e novas personagens poderiam ser introduzidas nessa nova saga, já que não tiveram praticamente nenhum desenvolvimento na Saga Boo. Isso considerando que Dragon Ball Super realmente precisasse acontecer, já que a Saga Cell teria sido o final perfeito para a franquia.