House of the Dragon (Fonte: Reprodução)
House of the Dragon (Fonte: Reprodução)

O assunto de Game of Thrones provavelmente fará muitos revirarem os olhos hoje em dia. O público acompanhou a série HBO por 8 temporadas ao longo de 9 anos, cativado por sua premiada escrita, performances e seu imersivo mundo fantástica. GoT era o show que a maioria das pessoas parecia recomendar. Mas isso mudou rapidamente com a chegada da 8ª temporada. Muitos acharam os episódios apressados, mal escritos e pouco característicos de um seriado tão amplamente adorado.

Parecia que os showrunners D.B Weiss e David Benioff haviam deixado a bola cair depois de ficar sem material para se adaptar. Algo que, embora os fãs tenham colocado em cima da última temporada, já acontecia há alguns anos, quando as coisas começaram a fugir da saga As Crônicas de Gelo e Fogo, de George R.R. Martin sem qualquer pudor. Contudo, foi o 8ª ano do programa que fez muitos dos fãs assumirem que a dupla estava ansiosa para deixar a série e seguir para outros projetos.

De fato, isso parecere ter sido confirmado com eles comentaram o assunto no Austin Film Festival e revelou que eles estavam basicamente “aprendendo no trabalho” e que “apesar da insistência da HBO”, eles preferiram evitar delegar responsabilidades criativas apenas por uma questão de inexperiência. Assim, pode-se supor que a razão pela qual as temporadas anteriores funcionaram tão bem foi o envolvimento de George R.R. Martin e a presença de uma matéria-prima detalhada na qual se basear.

O fracasso de Bloodmoon

Com o gosto amargo do final da série ainda na boca, e sem a mente por trás de Westeros, Game of Thrones parece ser de pouco interesse para o público em geral. Isso ficou claro quando a série spin-off, desenvolvida sob o título de trabalho Bloodmoon, foi descartada nesta terça-feira (29). Um piloto foi encomendado e filmado. Mas não conseguiu impressionar os executivos da HBO, mesmo após grandes edições. Por si só, isso não diz muito sobre o estado da franquia. Mas o que é interessante é o desinteresse completo dos fãs quando saíram as notícias de que Bloodmoon não avançaria.

Teoricamente, a premissa da série deveria ter intrigado a considerável base de fãs da franquia. Bloodmoon seria definido milhares de anos antes dos eventos de Game of Thrones, durante a primeira Longa Noite, quando os White Walkers se levantaram contra os humanos e as crianças da floresta pela primeira vez. Westeros era um lugar muito diferente e quase nenhuma das Grandes Casas com as quais o público está familiarizado existia, com exceção de algumas, como a popular (e protagonista de honra) Casa Stark.

A falta de uma reação notável é compreensível, considerando o legado deixado pela série originária. Mesmo que os showrunners do programa primordial não estivessem envolvidos com o spin-off, a maneira como eles deixaram Westeros teria moldado inevitavelmente o destino das Casas e raças da série prequel. Todo mundo sabe o que acontece com a Casa Stark no final, todo mundo sabe o que acontece com os White Walkers. Portanto, imbuir qualquer um desses elementos familiares com substância ou significado real teria sido um desafio monumental para qualquer um. Mas não mais desafiador do que tentar convencer os fãs insatisfeitos de que uma série anterior poderia fazer isso.

House of the Dragon

No entanto, ainda há vários projetos relacionados em andamento. Um dos quais acaba de ser aprovado e oficialmente anunciado pela HBO. Intitulada House of the Dragon, a futura série adaptará o livro Fogo & Sangue, também de George R.R. Martin, que é um texto quase enciclopédico com foco na história da Casa Targaryen. A obra literária se passa 300 anos antes dos eventos de Game of Thrones, quando os Targaryen e seus dragões acabavam de chegar em Westeros, invadindo o continente e transformando-o no panorama dos Sete Reinos.

Vale a pena notar que Fogo & Sangue não foi particularmente bem recebido quando foi publicado. Muitos críticos notaram que o romance carecia completamente das qualidades que tornavam as outras obras de Martin tão interessantes, com destaque para o seu estilo narrativo. O fato do livro ser um pouco impopular entre os leitores (que inegavelmente contribuíram para o sucesso generalizado de Game of Thrones) pode atrapalhar o sucesso do spin-off. E essa é apenas uma das várias razões pelas quais House of the Dragon provavelmente terá dificuldades em convencer os fãs a dar uma nova chance para a franquia.

A série original terminou há menos de um ano. Os fãs ainda estão sofrendo com a queda extraordinária na qualidade que a série experimentou em sua temporada final, após o que alguns já haviam marcado como um declínio gradual após o fim da 4ª temporada. A 5ª temporada começou a implementar no show uma atitude apática, que só ajudou a colocar a série sob intenso escrutínio, trazendo diversas críticas (justas e injustas). Em suma, por causa de como Game of Thrones terminou, nenhum spin-off parece ter chance de vingar. Ao menos, da forma com a original vingou.

A franquia Game of Thrones está morta?

Só para ficar claro: ainda há vida na franquia Game of Thrones. O autor George R.R. Martin criou um mundo de fantasia incrivelmente único, com o potencial de falar com uma variedade de pessoas diferentes em vários níveis. D.B Weiss e David Benioff provaram isso com as primeiras temporadas da adaptação televisiva, independentemente de saberem ou não o que estavam apresentando ao mundo.

Sugerir que nenhuma adaptação deveria ser feita seria quase uma completa falácia. Ainda há muita coisa que os fãs adoraram ver que pode ser explorado. Dito isto, seria mais sábio para a HBO adiar o lançamento de uma série de spin-off, seja ela House of the Dragon ou não, até que o público tivesse tempo suficiente para aceitar o que agora pode parecer, em casos extremos, oito anos perdidos.

O tempo daria a spin-offs uma chance justa de atingir as mesmas alturas que seu antecessor. Especialmente porque Martin continua ligado ao projeto aprovado como co-produtor, com Miguel Sapochnik (conhecido pelos episódios épicos de batalha em Game of Thrones) definido para dirigir pelo menos dois episódios. Parece o resultado de uma forte série sucessora. No final, como em tudo no entretenimento, cabe aos fãs decidirem se a House of the Dragon dura ou não mais do que uma única temporada.